Infláveis como armamento de guerra.

Infláveis na 2ª Guerra Mundial

Durante a II Guerra Mundial, Herbert H. Stevens, engenheiro americano, baseado nas idéias de Lanchester projetou um

Balões Barreira 2ª Guerra Mundial

hangar para fabricação de aviões. Que consistia em uma membrana de aço fina que o manteria elevado juntamente com o ar fornecido por 16 ventiladores e estariam amarradas em uma fundação circular de concreto.
Durante a guerra se travou uma intensa busca de algumas estruturas infláveis destinadas as aplicações  como hospitais, armazéns cozinhas e hangares. A estratégia militar sempre empenhada em  alcançar a  máxima mobilidade das forças da terra e do ar, buscando o melhor do funcionalismo, portabilidade e miniaturização que  são sinônimos, quando se fala em projetos de equipamento de combate. Tais características estão na maior parte das vezes unido a construção de infláveis, sendo assim não é nenhuma surpresa que os coordenadores das forças armadas, tenham colocado muita energia na tentativa de aplicar essa formula em diversas construções e aplicações.
Na I Guerra Mundial já haviam sido usados infláveis com muito sucesso na forma de balões cativos pelos ingleses para proteger as instalações militares e industriais importantes do ataque e das incursões dos bombardeiros e aviões do reconhecimento. Também recorreram aos infláveis para construir os falsas instalações, e veículos com o intuito de iludir o inimigo.
A destruição em combate de aviões e navios traziam a perda de vidas preciosas de soldados, e a esperança residia na disponibilidade de um equipamento prático de salvamento, que pudesse entrar rapidamente em operação, que fosse portátil e de volume reduzido. O bote salva vidas,veio a atender essas exigências pois  pode manter-se no espaço muito pequeno e pode ser inflado em questão de segundos. O desenvolvimento extensivo de tais dispositivos deu como o resultado um equipamento salva-vidas, empregado no uso civil e militar usado até hoje no mundo todo.

Posted in História dos Infláveis | Tagged , , , , | Leave a comment

História dos Infláveis.

Os Primeiros Edifícios infláveis.Cobertura de Radar Inflável

A primeira tentativa conhecida de aplicar os princípio dos balões a estruturas arquitetônicas se deve ao engenheiro inglês Frederick Willian Lanchester que em sua patente em 1917 de um hospital de campanha, citava os princípios fundamentais da construção inflável suportado por ar.

Descrição do Invento

“O presente invento tem por objetivo erguer uma tenda de grandes dimensões sem o uso de estacas ou suportes de qualquer tipo.”
” Consiste em uma espécie de tenda na qual o tecido usado é o dos balões ou outro material de pouca ou nenhuma permeabilidade, para que o ar inflado em seu interior mantenha erguido pela pressão do ar e sua entrada e saida se dará por meio de 2 portas estanques, para que não haja perda de pressão interior.”
As principais características dessa patente é que o autor tem perfeito controle das necessidades e primícias bases dos edifícios inflados e a segunda característica é de que se refere a um hospital de campanha e que caracteriza os edifícios infláveis de serem mais adequados as grandes extensões como hangares e grandes armazéns.
Inflável protegendo radarLanchester nunca pode ver seus projetos realizados passaram-se 30 anos ate que a primeira estrutura inflável fosse construída. Muitos acreditam que esse intervalo de tempo foi devido a falta de materiais e de técnicas apropriadas para realizar o projeto, mas essa explicação é um tanto ingênua, tendo em vista que Lanchester apoiava seus projetos em tecnologias ja existentes.
O próprio Lanchester tinha uma teoria muito mais plausível:
Quando entrou em contato com as indústrias no começo do século XX a humanidade vivia momentos de euforia e otimismo e desejavam explorar novas idéias. Pouco depois de apresentar sua patente houve o armistício da 1ª Guerra Mundial que foi seguida por uma profunda recessão industrial. As idéias de Lanchester eram tão contraria aos princípios da estática e do peso que imperavam nas construções que dificilmente profissionais da area podiam aceitar que o ar fosse o elemento de suporte, e para sepultar as idéias de Lanchester houve várias catástrofes causadas por balões e dirigíveis, apesar de não ver realizado seus projetos pode com todo o mérito ser considerado o inventor dos edifícios infláveis.

Não foi até 1946, quando Estados Unidos optaram por cobrir uma antena radar com uma estrutura pneumática que oferecia um mínimo de resistência à passagem de ondas de radar e que os protegidos das intempéries. Para o desenvolvimento destas estruturas foi eleito Cornell Aeronautical Laboratory, dirigido por Walter Bird, que é agora um dos principais promotores e construtores de  estruturas do mundo. Após a construção do protótipo, foram construídas cem tais estruturas no Norte Estados Unidos para a mesma finalidade, foram construídos com estas membranas resistentes fibras sintéticas como o nylon ou terylene coberto com uma camada de vinil sintético, neoprene ou hypalon, capaz de resistir a exposição severa para o exterior, a estrutura ainda se situava na posição vertical, com pressão pneumática diferença (em relação à atmosférica) de apenas 70 mm de pressão de água. A cúpula 15 metros de diâmetro foi capaz de manter a sua rigidez antes de ventos de até 240 km / hr.

Anos depois destas experiências geraram um “boom” na área de ar no interior dos Estados Unidos, porque as características das estruturas pneumáticas cobrir grandes áreas com rapidez e economia, além de sua versatilidade e facilidade com que podem ser transporte de múltiplos espaços foram construídos para usos diversos, tais como esportes, exposições, armazéns, fábricas e as atividades militares. Continue reading

Posted in História dos Infláveis | Tagged , , , , , , , , , | Leave a comment

Infláveis em nossa vida.

Infláveis e estruturas pneumáticas.

Sobre elas se apóiam nossos automóveis com seus pneus infláveis e suspensões de ônibus e caminhões bem como alguns tipos de embarcações e nelas confiamos para salvarmos vidas em botes salva-vidas.
Os infláveis tem merecido nos últimos anos o maior interesse de arquitetos e engenheiros de uma forma geral em todos os segmentos.   Durante a nossa infância e até os dias de hoje sempre presente, brinquedos infláveis, como bolas e os famosos João Bobo e bonecas, e aprendemos a nadar com o auxilio de um inflável que nos mantinha flutuando em nossas primeiras tentativas, essas aplicações são comuns no nossos dias, mas o mais impressionante é que já foram desenvolvido com infláveis os mais inusitados objetos como aviões com asas infláveis e cestos de balões infláveis.
Com o desenvolvimento de novos materiais e novas técnicas de enchimento e controle de pressão tem se tornado uma constante em nosso cotidiano o uso em mobilias como sofás, colchões.
Com as novas tecnologias podemos entrar em uma casa inflável em um ambiente completamente protegido e confortável a salvo das intempéries do exterior, também podemos usar como armazém, hospital, ou proteção de grandes estruturas como os radares, e infelizmente como arma de guerra.
Ao nos depararmos com os infláveis e estudar seu desenvolvimento logo percebemos que seu desenvolvimento se deu com total independência aos projetos convencionais, fruto da genialidade humana, trazendo soluções de baixo custo nem por isso de má qualidade.
Este site busca introduzir o leitor aos mais recentes conceitos de infláveis e sua aplicações seja na engenharia civil, publicidade, propaganda e suas mais diversas aplicações, onde veremos as técnicas mais comuns, suas exigências e limitações bem como a  sua segurança na utilização do dia a dia.

Posted in Infláveis no dia a dia | Tagged , , , , | Leave a comment

Um gigante trabalhando para você.

A DIFICULDADE ESTÁ GIGANTESCA ?
PONHA UM GIGANTE PARA TRABALHAR PRA VOCÊ.

UmGiganteTrabalhando por você.

Gigante Trabalhando.

Imagine um outdoor tridimensional com 7 metros de altura e 5 metros de diâmetro que se ilumina a noite com uma área total de 33 metros e que pode ser facilmente transportado em uma sacola com volume aproximado de uma saca de cereais de 60 kg. mas com um peso de apenas 20 kg .
Os infláveis no mundo todo são vitais pela extrema mobilidade na hora de gerar interesse estimular o tráfego e reforçar a imagem da sua marca em locais inusitados com um custo pôr mil mais baixo do mercado. Com infláveis você mesmo faz sua estratégia, independendo de equipes para instalação que ao longo do tempo custam caríssimo e com baixa ou nenhuma mobilidade.
Super valorize seu investimento com infláveis , trabalhando durante a semana seu ponto de venda e nos finais de semana levando para jogos , convenções, feiras, rodeios e outros. Quantas oportunidades foram perdidas de se apresentar em grandes eventos onde a única coisa a fazer no momento era uma faixa ou banner? Sua marca merece algo melhor de mais impacto de fácil transporte e instalação.
Agora que você já conhece a mídia externa que mais cresceu nos Estados Unidos nos últimos 5 anos, segundo o POPAI, (Point of Purcharse Inst.) saiba que a 12 anos construímos  balões de ar quente no Brasil sobre supervisão do D.A.C. Divisão de Aerodesporto do Ministério da Aeronáutica sendo assim detemos a melhor tecnologia do mercado e somos a empresa que mais cresceu no segmento nos últimos anos , com  uma
carteira de clientes dos mais variados como Coca-Cola , Kaiser, e Rede Globo.
Se você ainda tem dúvidas  não hesite solicite agora pelo telefone (011) 3326 8331 uma e agende uma visita de nosso representante.

Posted in Ultimas Notícias | Tagged , , , , , , , , , | 1 Comment